Pirâmides ou esquema Ponzi se confundem e distorcem mercados financeiros mundiais.

Para os participantes, conceitos, antes não imaginados, são trazidos e popularizados. Porém, muitas vezes distorcidos e, nessa popularização, fazendo mágicas ou chamando tomada de focinho de porco.

Contraditoriamente, a complexidade, termos e conceitos do mercado financeiro propiciam a criação de narrativas (palavra da moda) que mostram alternativas mágicas de geração de dinheiro e argumentação para embasar essas alternativas.

Por exemplo, o Bitcoin iniciou em centavos de dólar e chegou a milhares de dólares. Isso é um argumento para dizer “você quer ficar milionário?! Então, acredite no nosso projeto!”. Alguns, que não podem perder a oportunidade, aceitaram na hora. Outros, mais céticos, nunca aceitarão ou terão que convencer a si mesmo para o aceite.

E, aí, por bem ou por mal, ou meio termo, está lançado um novo caminho, cada um seguindo da sua maneira, aprendendo e ganhando ou perdendo muito dinheiro.

Bitcoins na poupança – caso divino

Nesse aprendizado, há um meio termo, para quem realmente se dedicar acima da média. É manter a maior parte do seu capital em meios tradicionais (aplicações bancárias, imóveis) e uma parte, às vezes aquela que pode perder, para se aventurar num mercado de alto risco.

Não coloque seus ovos em um único cesto e tenha uma vida minimalista(?)… pois os cestos tem donos.

WhatsApp chat